Nossa Capa


Publicidade





Economia

Voltar | imprimir

14/11/2017

BRASILEIROS PAGARAM R$ 1,8 TRI DE IMPOSTOS EM 2017

Impostômetro localizado em São Paulo

Em Ituverava, a quantia chegou à quantia de R$ 16.162.303 na última terça-feira, dia 7

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) – que mede o valor que os brasileiros pagaram de imposto no ano – bateu a marca de R$ 1,8 trilhão na última semana, dia 2 de novembro, às 17h. O registro ocorre 26 dias antes do que o ano todo de 2016, o que significa que os brasileiros estão pagando mais tributos em 2017.

“As receitas do governo já estão subindo acima da inflação, o que, combinado com o controle de gastos, começa a equacionar o ajuste fiscal. Ou seja, o ajuste fiscal de verdade está começando somente agora. O resultado é que o governo pode – e deve – abandonar qualquer plano de aumento tributário”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

O montante equivale a todo o dinheiro pago pelos brasileiros aos cofres da União, dos Estados e dos municípios em tributos (impostos, taxas, contribuições, multas, juros e correção monetária) desde o primeiro dia do ano.

A expectativa, segundo ele, é de que o Impostômetro encerre o ano com cerca de R$ 2,172 trilhões recibos pelo governo, valor superior às arrecadações dos últimos anos.


O painel eletrônico que calcula a arrecadação em tempo real está instalado na sede da associação, na Rua Boa Vista, região central da capital paulista.

Internet
O total de impostos pagos pelos brasileiros também pode ser acompanhado pela internet, na página do Impostômetro (www.impostometro.com.br). Na ferramenta, criada em parceria com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), é possível acompanhar quanto o país, os Estados e os municípios estão arrecadando em impostos e também saber o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado.

Marca
Na última terça-feira, 7 de novembro, por volta das 16h25, a Tribuna de Ituverava constatou que o impostômetro já havia atingido a marca de R$ 1.829.130.042.960,59 (um trilhão, 829 bilhões, 130 milhões, 42 mil, 960 reais e 59 centavos).

Com esse valor, seria possível comprar 2.912.631 apartamentos de 110m², com 3 quartos, 1 suíte, 2 garagens, no Morumbi, em São Paulo, ou 5.067.428 BMW M2 2.0. Se investido na poupança, esse dinheiro renderia R$ 354.209.215 por dia ou R$ 245.961 por minuto.

O Estado de São Paulo tem a maior arrecadação de impostos do país. Na última terça-feira, 7 de novembro, o valor havia chegado a R$ 679.056.990.241 bilhões, o que corresponde a 37% do total arrecadado no Brasil.

Ituverava é a 3ª cidade que mais pagou impostos na microrregião
Os ituveravenses já pagaram mais de R$ 16 milhões em impostos desde o dia 1º de janeiro de 2017. Conforme levantamento feito pela Tribuna de Ituverava na última terça-feira, 7 de novembro, às 16h25, o valor alcançado era de R$ 16.162.303.

Essa quantia colocou Ituverava na terceira colocação na microrregião entre as cidades que mais pagaram impostos. Na frente estão apenas Orlândia (R$ 24.093.944) e São Joaquim da Barra (R$ 19.137.530).

Em seguida aparecem Miguelópolis (R$ 7.626.573), Igarapava (R$ 7.542.553), Guará (R$ 6.335.919), Aramina (R$ 2.604.334), Buritizal (R$ 1.475.850) e Jeriquara (R$ 430.748). As duas maiores cidades da região – Ribeirão Preto e Franca – arrecadaram, respectivamente, R$ 755.914.308 e R$ 144.583.750.

Impostos na microrregião*
R$ 24.093.944 – Orlândia


R$ 19.137.530 – São Joaquim


R$ 16.162.303 – Ituverava


R$ 7.626.573 – Miguelópolis


R$ 7.542.553 – Igarapava


R$ 6.335.919 – Guará


R$ 2.604.334 – Aramina


R$ 1.475.850 – Buritizal


R$ 430.748 – Jeriquara





Corrupção
Atualmente o brasileiro precisa trabalhar 152 dias por ano apenas para pagar impostos. O maior problema é que esses recursos não voltam à população em serviços, como deveria ocorrer. Caso todo esse dinheiro fosse efetivamente investido em áreas como Educação, Saúde e Segurança Pública, o Brasil seria uma das maiores potências mundiais.


Contudo, o que acontece é que no meio no caminho esse dinheiro é desviado por políticos corruptos. Isso pode ser comprovado pelo cálculo do IRBES (Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade), que aponta que o Brasil está na 30ª colocação no ranking que mede o retorno dos impostos em forma de benefício à sociedade.

O ranking é liderado pela Austrália, seguida de Coreia do Sul, Estados Unidos, Suíça, Irlanda, Japão e Canadá.

Voltar | Indique para um amigo | imprimir